Sim, isto vai ser mais um post daqueles. Comprido, repleto de devaneios e impulsos de ultima hora que só vão dificultar ainda mais a leitura e compreensão dum texto desde já condenado a ser complicado ao abordar a natureza deste animal tão estranho que é….o homem. normal_Green-grass-and-water-drops_2

Mas comecemos com calma. Respirando fundo, colocando a nossa mente naquele estado mais calmo e lúcido. Como alguém que muito humildemente contempla o sol e os cheiros que brotam do chão, naquele momento mudo, depois da tempestade, antes da bonança.

Quando foi a ultima vez que estiveram aí? Nesse lugar da mente, só vosso. Feito por vocês, para vocês, e que derradeiramente vos define. Sem nada daquelas reacções automatizadas a que o dia a dia nos acostuma.

Isto digo eu convencido de que toda a gente tem um lugar desses. Bem, eu tenho.

Paro…respiro…contemplo…e estou lá. E sou, lá.

Sou.

O que eu mais desejava mesmo, era ser mais vezes. Ser sozinho, acompanhado, sentado, a correr. Ser constantemente. Não é ser eu, que tou farto do meu eu e de todos os problemas que ele me dá, não, quero ser. Não me comprometer, dizer sim quando sim, e não quando não. Isto não devia ser difícil!! Parece ridículo, SOU um SER humano, SOU mais esperto que o resto dos animais, SOU o que constrói casas e fabricas, e que brinca com a matéria com mestria e criatividade, SOU uma personalidade, a minha, o meu eu, SOU tudo e mais alguma coisa, e a única coisa que eu queria mesmo mesmo mesmo, era Ser. Só ser. Sem mais floreados e pedestais como o da “raça superior”, como se qualquer comparação fizesse algum sentido.

Afinal parece-me mais simples do que o que eu pensava. É só isto.